“Mulher-Maravilha”: uma ode às mulheres

 

084343

 

  • Crítica de Daniel Braga

Venho de um longa lista de contentamento e algumas decepções com o subgênero de Super-heróis no cinema, especialmente desde a segunda parte da trilogia do “Batman” de Christopher Nolan. Nada que a editora DC produziu tem me alegrado, e alterno entre gostar com ressalvas de algumas produções dos Studios Marvel , FOX e Sony e detestar outros desses mesmos. Posso dizer, como DCnauta que o filme da Princesa Amazona é gratificante. A escolha de deslocar a origem da personagem tradicional da Segunda Guerra e não atualiza-la como os demais heróis desta Era de Ouro ou da Era de Prata, tornando ela mais internacional e menos uma “outra filha adotiva” dos Estados Unidos, como o Superman, é perfeita. Alias, a Warner ter escolhido Patty Jerkins ( “Monster”) como diretora de um filme de guerra é já algo para ser comemorado. Também é importante ressaltar o protagonismo alcançado pela personagem principal, cujo o ponto de vista do filme é o dela em quase 90% do tempo. É também uma vitória para o longo caminho percorrido pelas mulheres, especialmente nesse subgênero em que as personagens femininas, sejam as do elenco de apoio ou mesmo as próprias super-heroínas, pois sempre acabam caindo em alguma situação que falham e/ou precisem ser salvas pelos super-heróis masculinos (nos cinemas, na tevê a história muda de figura).

A origem da heroína tem como fonte maior o trabalho George Perez, que reinventou a personagem criada por William Mouton Martson em All Star Comics #8, em
1941. Perez recontou a história da personagem na mesma época que tantos outros heróis da DC foram reformulados, mas é recheada de conceitos atuais da nova reformulação dos 2010s que inspira os demais filmes do Universo da editora no cinema. Ao contrario de “Man of Steel”, “Batman Vs Superman: The Origino f Justice” e “Suicide Squad”, o filme perde a visão sombria que é característica estética contemporânea dos quadrinhos, jogando uma luz – no melhor sentido da palavra – nas incríveis coreografias de ação e no tom épico. Algo que nem um dois filmes do Thor conseguiu alcançar totalmente em se tratando de um super de origem mitológica. O ritmo inicial do filme não é acelerado como é comum entre os filmes desse subgênero e, talvez, por isso mesmo, prepare o espectador para toda a grandiosidade. Vale ressaltar também que, com relação aos diálogos, as piadas são bem colocadas e nada excessivas.

O filme empolga e engrandece a personagem e seus coadjuvantes – destaque para a Antiope de Robin Wright e o Steve Trevor de Chris Pike -, que ocasionalmente ganham o protagonismo como um bastão de corrida olímpica, mas que sempre volta para a “Mulher-Maravilha” de Gal Gadot. A principio, sua voz e pronuncia em inglês (o que muda quando ela fala outras línguas), além da sua interpretação, não agradam totalmente todos os fãs. Mas, seu carisma e, principalmente, a vivência do personagem -o quanto ela acredita ser a versão atual primeira super-heroína dos quadrinhos – conquista a plateia. O vilão, Ludendorff Danny Huston, porém, alterna entre bons e maus momentos, enquanto a Dr. Veneno de Eleana Anaya é pouco explorada,  sobrando para o antagonista masculino os monólogos que poderiam ter sido suprimidos na épica batalha final. O elenco é composto por estrelas cumprindo seu papel como David Twellis, Connie Nielsen entre outros. A tradicional equipe de suporte/ Alivio cômico é divertida sem ser uma piada o tempo todo, dando pontos de vistas bem pertinentes no processo de Diana para entender as sutilezas e idiossincrasias da sociedade moderna.

Alguns momentos do filme são ressaltados quase em excesso, como a linguagem da câmera lenta, recurso adorado por Zack Syder que,  até pouco tempo, supervisionava o universo DC . Mas, no geral, isso não compromete em nada as cenas de ação e a força sentimental em muitas das cenas dramáticas.

“Mulher- Maravilha” é, sem duvida, muito bem vinda, principalmente pelos fãs,  com sua chegada redentora e, digamos assim, mitológica.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s